Gente chata cansa

Por que agradar os outros contra a nossa vontade quando muitas vezes as pessoas não estão nem um pouco preocupadas se estão agradando ou não? Nos desgastamos tentando manter a gentileza quando temos em troca uma enxurrada de falta de educação e grosserias que julgam ser normais e aceitáveis de digerir.

Eu pergunto: Por quê? Qual a necessidade que temos de manter a classe aturando gente chata contra a nossa vontade sem expressar o que realmente estamos sentindo? Quando somos criança fazemos uma cara bem feia quando algo nos desagrada e quando não gostamos de alguém nem perdemos tempo mostrando os dentes. Então crescemos e as regras de etiqueta e educação te fazem fingir uma reação que não condiz com a realidade para que haja certa harmonia no ambiente. É preciso. Não podemos sair por aí de cara fechada para cada um que não simpatizamos. É um fingimento necessário para se viver em sociedade. Porém há um limite. E precisamos delimitá-lo em nosso cotidiano para não morrer sufocados pela indignação.

Em alguns momentos tenho a nítida sensação de que atraio gente sem noção. Tento ser agradável com vontade de explodir. Como se um sorriso amarelo grudasse em meu rosto enquanto o cérebro discute entre id e ego o momento exato de sumir. O sem noção aproveita a cena e deita e rola em cima da minha disposição em ser gentil. Ficamos ali numa eterna troca de: Não é possível com um tanto faz e sinto como se meu corpo entrasse em processo de ebulição gradativamente.

As personalidades são diferentes. Alguns indivíduos priorizam a si e a seus desejos tornando-se imerso em uma fantasia apropriada a esse padrão de aceitação e não enxergando a realidade da vida social e as necessidades de outros indivíduos em relação às suas, ou seja, seus interesses, opiniões, desejos e necessidades vêm em primeiro lugar. Há quem consiga cortar o mal pela raiz e ser grosseiro logo de cara colocando um ponto final nisso tudo. Mas há também quem não consegue dizer nada e aguenta no osso do peito para não causar uma experiência desagradável num ambiente familiar ou numa relação de amizade, por exemplo.

Algo dentro de mim diz para me libertar de tudo que me faz mal. Afastar-me completamente de pessoas negativas, chatas, desagradáveis e manipuladoras que de certa forma perturbam a minha paz. Nem sempre isso é possível e por mais que se tente bloquear esse tipo de gente, sempre saímos mal vistos dessa história.

Mas querem saber? Um dia eu aprendo. Porque ser gentil o tempo todo cansa. Estou quase chegando ao ponto de preferir inimigos distantes a amigos extremamente desagradáveis que acham que estão agradando com sua autenticidade, sinceridade e falta de bom senso bem pertinho de mim. Preciso optar por me agradar ao invés de agradar os outros. Principalmente quem não é digno de nenhuma espécie de gentileza. Quem não percebe o outro além de si próprio, que não se preocupa se está passando do ponto com ninguém, tem mais é que ficar isolado envolvido pelo seu egoísmo e falta de educação, já que não dá para colocar numa jaula e exportar para uma ilha distante. 

Renata Miranda
Administradora de Empresas com MBA em Gestão de Pessoas
Master Head Trainer Coach
Escritora e Palestrante
Outros artigos
Coluna Vida&Carreira
Vida & Carreira
Vida & Carreira
Leia todos os artigos
Diário de uma mãe em surto: e o surto chega ao fim
Diário de uma mãe em surto: vigésima semana de tratamento
Diário de uma mãe em surto: quarta semana de tratamento psiquiátrico
Diário de uma mãe em surto: a descoberta das redes sociais
Diário de uma mãe em surto: o começo de uma revolução
Diário de uma mãe em surto: e a saga continua...
Diário de uma mãe em surto: o começo do tratamento psiquiátrico
Diário de uma mãe em surto: o fundo do poço
Diário de uma mãe em surto: Noite de Natal
Diário de uma mãe em surto: Culpa Zero
Diário de uma mãe em surto: Angra dos Reis
Diário de uma mãe em surto: no bar do Otacílio
Diário de uma mãe em surto: cantada de pedreiro
Diário de uma mãe em surto: rapazinho robusto
Diário de uma mãe em surto: festa de aniversário
Diário de uma mãe em surto: reunião da escola
Diário de uma mãe em surto: mãe culpada
Diário de uma mãe em surto: Domingo de Páscoa
Diário de uma mãe em surto: Traumas de Infância
Diário de uma mãe em surto: primeiro dia na escolinha
Diário de uma mãe em surto: empregada canalha
Diário de uma mãe em surto: Último dia de licença maternidade
Diário de uma mãe em surto: Um mês após o nascimento
Diário de uma mãe em surto: existe vida pós-cesárea
Diário de uma mãe em surto: a volta pra casa
Diário de uma mãe em surto: o grande dia
Viajando de ônibus
O que me falta
O lado B da gravidez
Confissões
Quando a política contamina o futebol
Dividir a vida
O que te move?
Eu, vocês e minha escrita
 
© CaçapavaOnline.net 2014 - Todos os direitos reservados.