Diário de uma mãe em surto: rapazinho robusto

Arlindo Orlando estava assistindo TV e tomando muitas cervejas numa madrugada em que estávamos todos dormindo. Completamente embriagado, na troca de canais deparou-se com um canal de propagandas eróticas:

- O Casal quer ainda mais prazer? Então compre agora esse “rapazinho” robusto. Esse anel acompanha o “amiguinho”. Enquanto seu parceiro encaixa no anel, o “amiguinho” proporciona momentos incríveis! Compre agora o Plug Vibrator. Você vai adorar! Ligue agora e tenha orgasmos mágicos!

Não pensou duas vezes, empolgadíssimo com a modelo que vestia uma roupa de odalisca na TV, muito provavelmente imaginando uma forma de ter com quem usar já que sua “patroa” aqui não permitiria um “abuso” daqueles, fez sua encomenda por telefone, sempre olhando para os lados para ver se não estava sendo observado e nunca mais lembrou que havia feito isso.

Um belo dia chega um pacote pelo correio. Muito discreto e intrigante. Olhei para o pacote e estava em nome de Arlindo Orlando. Ele olhou, olhou e disse para o carteiro:

- Que estranho o que será esse pacote?

Minha mãe que estava nos visitando, aproveitou para se intrometer na conversa:

- Deve ser a bomba que eu mandei para te matar! Mandei mentalmente, mas vai ver se materializou.

Então ele decidiu abrir o pacote em frente as pessoas que se encontravam no recinto e quando percebeu o que era fechou a caixa rapidamente. Tarde demais. Todos que ali estavam perceberam e começaram a rir.

Arlindo Orlando abriu a porta rapidamente e gritou para o carteiro que já estava meio longe:

- Hei moço! Volte aqui! Essa encomenda não é minha!

O carteiro não ouviu.

Sentindo-se sem saída, com um sorriso amarelo nos lábios falou:

- Ah! Lembrei! Fui eu mesmo que encomendei para um amigo que quer testar para se animar a fazer colonoscopia. Ele tá precisando fazer e não se anima sabe? Então eu comprei porque senão poderia chegar lá na casa dele e parecer meio chato algo assim com esse nome Rapazinho Robusto chegar pelo correio.

Nisso quando todos no sofá estavam de boca aberta, minha mãe deixa cair a chapa. Não sei não, mas acho que estou precisando rever meu casamento.

 

Renata Miranda
Administradora de Empresas com MBA em Gestão de Pessoas
Master Head Trainer Coach
Escritora e Palestrante
Outros artigos
Coluna Vida&Carreira
Vida & Carreira
Vida & Carreira
Leia todos os artigos
Diário de uma mãe em surto: e o surto chega ao fim
Diário de uma mãe em surto: vigésima semana de tratamento
Diário de uma mãe em surto: quarta semana de tratamento psiquiátrico
Diário de uma mãe em surto: a descoberta das redes sociais
Diário de uma mãe em surto: o começo de uma revolução
Diário de uma mãe em surto: e a saga continua...
Diário de uma mãe em surto: o começo do tratamento psiquiátrico
Diário de uma mãe em surto: o fundo do poço
Diário de uma mãe em surto: Noite de Natal
Diário de uma mãe em surto: Culpa Zero
Diário de uma mãe em surto: Angra dos Reis
Diário de uma mãe em surto: no bar do Otacílio
Diário de uma mãe em surto: cantada de pedreiro
Diário de uma mãe em surto: festa de aniversário
Diário de uma mãe em surto: reunião da escola
Diário de uma mãe em surto: mãe culpada
Diário de uma mãe em surto: Domingo de Páscoa
Diário de uma mãe em surto: Traumas de Infância
Diário de uma mãe em surto: primeiro dia na escolinha
Diário de uma mãe em surto: empregada canalha
Diário de uma mãe em surto: Último dia de licença maternidade
Diário de uma mãe em surto: Um mês após o nascimento
Diário de uma mãe em surto: existe vida pós-cesárea
Diário de uma mãe em surto: a volta pra casa
Diário de uma mãe em surto: o grande dia
Viajando de ônibus
Gente chata cansa
O que me falta
O lado B da gravidez
Confissões
Quando a política contamina o futebol
Dividir a vida
O que te move?
Eu, vocês e minha escrita
 
© CaçapavaOnline.net 2014 - Todos os direitos reservados.